Doria aponta incoerência de Alckmin e diz que irá combatê-lo se houver aliança com Lula

Para governador de São Paulo, a opinião pública deve analisar quem combateu PT por 33 anos e repentinamente se associa a ele

Foto: Governo do Estado de São Paulo
Foto: Governo do Estado de São Paulo

 

Apesar de dizer que respeita a decisão do ex-governador Geraldo Alckmin de deixar o partido, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ressaltou que, como adversário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2022, estaria em campo oposto ao do ex-tucano. De acordo com o Jornal Folha de São Paulo, Doria teria sinalizado ainda uma contradição caso Alckmin decida ser vice do petista.

Questionado sobre achar a aproximação dos dois estranha, Doria disse que não cabia a ele fazer análise “do estranho ou não”. “Vocês podem analisar. Mas alguém que durante 33 anos combateu o PT e, repentinamente, se associa ao PT, a classificação são vocês é que devem fazer, e a opinião pública também […] Mas eu desejo felicidade em seu novo destino e em sua nova trajetória, tanto na vida política quanto na vida pessoal. A partir do momento em que o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin tomou a decisão de se desfiliar do PSDB, é a sua decisão, onde ele deseja se filiar politicamente e quem ele deseja apoiar eleitoralmente”, disse o governador, durante sua ida ao Supremo Tribunal Federal (STF) para conversar sobre a exigência de passaporte da vacina a brasileiros.

Dória comentou ainda que será combativo não só em relação a Lula, mas também a Alckmin, caso esteja ao lado do ex-presidente. “Serei educado, como sempre fui, mas serei combativo em relação a essa opção. Eu quero acrescentar que eu serei adversário de Lula e, circunstancialmente, de Geraldo Alckmin. Se ambos fizerem uma chapa para disputar a Presidência da República, eu, como pré-candidato do PSDB, estarei em outro campo, no campo contrário”, afirmou.

De acordo com a Folha, a mudança do ex-governador de São Paulo tem relação com seus planos eleitorais para 2022, que não poderiam ser viabilizados no PSDB.

Bahia.ba

Postar um comentário

0 Comentários